Mercado de Etanol
Colunistas, Postos de Combustíveis

Mercado de Etanol à prova na cadeia de abastecimento

Artigo escrito por Carlos Giordano
Por Carlos Giordano
Criado em 09/07/2020, atualizado em 13/07/2020

Nesse novo alinhamento no setor de distribuição e revenda, que diz respeito à venda direta do produtor ao Posto, mercado de etanol se encontra à prova. Abaixo, seguem algumas considerações com bases históricas, que servirão de exemplo para análise de tendências.

A importância do debate tem fundamento na possibilidade de redução de custos para o consumidor final, considerando a eliminação do intermediário na cadeia de suprimentos. Mas nem tudo são flores nesse conturbado cenário. A começar pela cadência dessa revolução ter no compasso, o ritmo possível das necessárias adequações por parte dos fornecedores de etanol ao segmento de distribuição de seus produtos, diretamente aos revendedores. Uma corrente de elos de aço na gestão dos custos de estocagem e logística de entregas.

Leia também: Venda direta do Etanol: o que podemos esperar?

Portanto, essa prerrogativa de diminuição de preços, defendida por Bolsonaro pode ser uma pedra no sapato de quem anda por esse caminho de lama. A saber que a possibilidade de atuação das distribuidoras na cadeia ainda continuará existindo, as usinas deverão fazer bons estudos de viabilidade econômica afim de participarem dessa migalha caída da mesa do banquete de gigantes.

Por conta disso, estima-se que apenas parte dessa estrutura poderia ser revista e repartida entre poucos possíveis produtores, que motivados pela possibilidade de alcançarem melhores margens, teriam novos custos e preocupações estratégicas que hoje não detém, como:

  • Tributação e controles fiscais.
  • Preocupação com os custos de vendas, custos do fluxo de reposição no mercado recorrente em períodos de safra delimitados pela capacidade produtiva e de armazenamento.
  • Custo em Marketing para divulgação de controles de qualidade, eventuais necessidades de contratos de fornecimento para garantia da oferta aos clientes.
  • Custos com eventuais inadimplências na concessão de créditos para prazos e políticas de pagamentos.
  • Adequações de baias de abastecimentos para pequenos clientes com pátio de espera, banheiros para caminhoneiros, estrutura física a ser instalada e custos de manutenção.
  • Custos de administração financeira, contábil e fiscal, tudo isso fazendo com que a necessidade de um estudo de viabilidade econômica e financeira seja a premissa para o alinhamento na linha de largada dessa corrida que parece não ter fim.

Agora alinhados com essa nova gestão, ainda imaginaremos que as usinas irão vender o etanol aos Postos Revendedores ao mesmo preço que vendem hoje às distribuidoras?

E as distribuidoras com seus contratos de suprimento, terão afetadas suas possibilidades de escoamento, inadimplindo contratos de compra e principalmente expondo situações de ataques de flanco dessas Usinas/Distribuidoras ao seu mercado de ativos contratuais?

Leia também: Contratos predatórios das distribuidoras, basta!

Ora, ora, precisamos de mais estudo, compreensão e principalmente de análise de oportunidades e ameaças nesse momento, entendendo corretamente onde atuam essas forças que se tornarão gatilhos impeditivos de redução no preço do varejo.

Carlos Giordano Jr tem mais de 40 anos de atuação no mercado de Postos de Combustíveis e lojas de conveniências . É fundador da Consiglio, incubadora e desenvolvedora de ideias, nascida com o propósito de ajudar a construir empresas sustentáveis e de sucesso.
Acesse www.consigliobr.com para saber mais sobre a Consultoria Estratégica.


Ao se cadastrar você aceita receber os conteúdos do ClubPetro e compreende que pode se descadastrar a qualquer momento.

Posto de combustíveis