Alta do petróleo: imagem de um homem abastecendo um carro
Revendedor, Finanças em Postos de Combustíveis, Gestão

Alta do Petróleo: entenda o aumento no preço de combustíveis

Artigo escrito por Letícia Bessa
Por Letícia Bessa
Criado em 10/03/2022, atualizado em 23/03/2022

O barril de petróleo tem passado por uma alta valorização no mercado internacional devido às sanções ao petróleo russo. Pela primeira vez desde 2008, a commodity atingiu a marca de 130 dólares por barril, sendo negociada, até mesmo, por quase 140 dólares. Mas, quais os efeitos econômicos causados pela alta do petróleo? Como está a política de preços da Petrobras? Qual a situação atual do preço de combustíveis no Brasil? 

Todas essas perguntas são muito relevantes e devem ser esclarecidas para a compreensão de todos sobre o aumento no preço dos combustíveis. Continue lendo para tirar suas dúvidas! 

Por que o preço do barril de petróleo está aumentando?

Antes de explicarmos as consequências da alta do petróleo e como está a situação no Brasil, você precisa saber que o aumento no preço do barril tem a ver com alguns fatores. Entre eles, as questões geopolíticas que vêm se arrastando desde janeiro nas fronteiras da Rússia com a Ucrânia e que se intensificaram após o início da guerra entre os dois países. 

Em meio ao conflito, as sanções ao petróleo russo têm impactado todo o mundo no que diz respeito ao cenário econômico. Afinal, a Rússia é uma das maiores exportadoras de petróleo. Isso significa que as sanções que o país vem sofrendo implicam a escassez da oferta global de petróleo. 

Além disso, a retomada das atividades econômicas após o lockdown implementado para frear o avanço da Covid-19 também afeta o preço da commodity

Quais as consequências econômicas da alta do petróleo?

Com a alta do petróleo, já era de se imaginar que teríamos algumas consequências econômicas mundo afora. Sabendo disso, vamos explicar os efeitos principais dessa tendência na economia e no mercado financeiro. Confira:

Alta de commodities

O gás natural acompanha a valorização do petróleo e já registra 40% de aumento em 2022. Isso significa que a alta do petróleo influencia diretamente o preço de outras commodities, a exemplo do gás natural, que pode ser a commodity substituta no momento. A soja e a cana-de-açúcar também registram aumentos significativos no ano, pois são commodities utilizadas para a produção de biodiesel e etanol, respectivamente.

Como o petróleo também é matéria prima de outras cadeias produtivas, as consequências econômicas vão além do mercado de energia. Além das commodities que já mencionamos, o algodão já teve uma alta de 10% em 2022.

Redução do consumo

Com a valorização de tantas commodities, uma outra consequência econômica que precisamos destacar é a redução do consumo. A preocupação com a alta dos produtos é tão grande que há apostas de que o percentual de aumento na taxa de juros americana será menor do que 0,50 ponto. Contudo, ainda não se sabe quais serão os efeitos reais na economia.

Efeitos negativos para a inflação

Não é novidade que a alta do petróleo, assim como a alta de outras commodities, tem um grande impacto sobre a inflação. Nesse sentido, a tendência é que haja um aumento no preço das mercadorias, especialmente, de combustíveis e alimentos. Isso pois a alta do petróleo deve ser repassada ao produto final, o que implica o aumento da inflação para o consumidor. 

Quanto à inflação no Brasil, a previsão é de que também haja um aumento no preço das mercadorias. O boletim Focus divulgado no dia 7 de março revelou que o IPCA de 2022 deve subir para 5,65%. 

Fim da alta de juros

Para controlar a inflação, alguns economistas apostam no fim da alta de juros. No cenário brasileiro, isso significa que a taxa básica de juros da economia brasileira, a Selic, deve ser reduzida. O que será feito, de fato, no Brasil e em outros países, como Estados Unidos, ainda não se sabe. Também não é possível saber quais serão os efeitos de todas essas movimentações na economia. 

Alterações nas bolsas de valores

Conforme o preço das commodities aumenta, uma tendência que observamos é a redução dos principais índices de ações. Isso ocorre por causa dos temores relacionados à inflação, ao aperto de juros e ao menor crescimento da economia. 

No entanto, quando analisamos o Ibovespa, identificamos uma tendência contrária. Desde o início da guerra entre Rússia e Ucrânia, a bolsa de valores do Brasil subiu 10%, já que 25% dos índices são compostos por ações da Petrobras e Vale. Essas empresas estão se beneficiando com a alta do petróleo e minério de ferro, respectivamente.

Baixa do dólar

O dólar já caiu cerca de 10% desde o início de 2022, indo para quase 5 reais. E a procura por corporações que estão listadas na bolsa de valores brasileira deve reduzir ainda mais o preço do dólar. Para se ter ideia, apenas nos dois primeiros meses do ano, a entrada de estrangeiros na B3 foi equivalente a 60 bilhões de reais.

Como está a situação do preço dos combustíveis no Brasil?

Como explicamos, a inflação é uma das consequências econômicas da alta do petróleo em todo o mundo. Nesse sentido, é normal que o consumidor sinta no bolso o aumento do preço dos combustíveis. Contudo, no momento, a Petrobras decidiu não repassar integralmente a alta do petróleo para os seus clientes, o que pode frear o aumento de preços nas bombas de abastecimento. 

Hoje, existe uma grande defasagem entre o preço que a Petrobras cobra no barril de petróleo e o preço que as principais bolsas de negociação do mundo cobram. Isso porque a empresa tem usado os estoques adquiridos no início do ano. Não obstante, é provável que novos reajustes nos preços da gasolina e do diesel aconteçam, quando esses estoques acabarem. Com esses reajustes, podemos falar em uma alta de 9% para a gasolina e 16% para o diesel (se a Petrobra

s repassar o preço integral do barril de petróleo).

PEC dos combustíveis

Atualmente, tem um projeto em tramitação no Congresso Nacional que representa uma tentativa de frear o aumento no preço dos combustíveis. Estamos falando da PEC dos combustíveis, que está dividida em dois textos.

O primeiro se refere à tributação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) como alternativa para evitar aumentos abusivos, pois os governadores teriam autonomia para definir o valor da alíquota que incide sobre os combustíveis. Já o segundo texto se refere à criação de um fundo de estabilização direcionado aos combustíveis

Esperamos que você tenha gostado do nosso conteúdo sobre a alta do petróleo no cenário nacional e internacional. Não deixe de conferir os outros artigos do nosso blog para saber mais sobre o mercado de venda e revenda de combustíveis e fale com um dos nossos especialistas para encontrar a melhor solução tecnológica para o seu Posto!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ao se cadastrar você aceita receber os conteúdos do ClubPetro e compreende que pode se descadastrar a qualquer momento.

Posto de combustíveis