D.R.E e a D.F.C. para Gestão de Postos
Gestão

D.R.E e D.F.C. para Gestão de Postos de Combustíveis

Artigo escrito por Profs. Adriano e Leandro
Por Profs. Adriano e Leandro
Criado em 18/09/2020, atualizado em 18/09/2020

A partir desta semana, traremos conteúdos com aplicação prática para a gestão do seu Posto. Começaremos abordando D.R.E e D.F.C. para Gestão de Postos de Combustíveis.

O que são D.R.E e D.F.C?
D.R.E é a sigla para Demonstração do Resultado do Exercício, enquanto D.F.C é Demonstração do Fluxo de Caixa.

A D.R.E tem como objetivo evidenciar o desempenho do negócio, ou seja, lucro ou prejuízo, resultado econômico. Informa os resultados das transações gerados pelas decisões de investimento e de financiamento, independentemente de ter ocorrido entrada ou saída de recursos financeiros, as transações são registradas e informadas. Já a D.F.C evidencia as entradas e saídas efetivas de recursos financeiros, resultantes das atividades operacionais, de investimentos e de financiamentos, ocorridas no negócio.

Leia também: 7 boas práticas de Fluxo de Caixa para Postos de Combustíveis

Estruturas e Componentes

A D.R.E apresenta as vendas realizadas, o custo dessas vendas, as despesas variáveis e fixas, e consequentemente o resultado lucro/prejuízo.

Já a D.F.C apresenta quanto do resultado operacional informado na D.R.E se converteu em caixa no período, além das entradas e saídas de recursos financeiros referentes aos investimentos e financiamentos, abordados mais à frente no texto.

Quais informações a D.R.E e a D.F.C fornecem para a Gestão?

De acordo com um caso hipotético, um negócio que gerou, no mês de janeiro, um lucro de R$ 28.000,00 e em fevereiro R$ 11.000,00, totalizou R$ 39.000,00 de resultado econômico. Mas onde está o dinheiro? Pois, no caixa não entraram esses valores.

O resultado do caixa operacional foi de R$ 10.500,00, em janeiro, R$ 31.000, em fevereiro e R$ 3.500 em março. 

Essas diferenças se devem às transações que ocorrerem em prazos diferentes. Caso as vendas e os pagamentos ocorressem sempre à vista, a diferença não existiria. Portanto, como na realidade não se vende ou paga fornecedores, despesas, somente à vista ou a prazo, torna-se importante conhecer o resultado econômico gerado independente dos prazos, por competência, e o resultado financeiro, ou seja, a geração de caixa.

Por que o resultado líquido é de R$ 39.000,00 e o caixa operacional, após a realização dos recebimentos e pagamentos é de R$ 45.000,00? A diferença é a depreciação de R$ 6.000,00. Depreciação representa a perda de valor por uso do prédio, equipamentos, ou seja, da infraestrutura para a realização dos negócios. O negócio deve gerar um resultado que possibilite a reposição desses itens.

A demonstração dos fluxos de caixa, além de informar o caixa gerado pelas operações de compra, venda, apresenta outras saídas e ou entradas referentes as atividades de investimentos e financiamentos que ocorrem nas empresas, completando a resposta de onde está o dinheiro. As empresas investem em novos equipamentos, estoques, realizam financiamentos, como demonstrado a seguir:

Neste caso, a empresa adquiriu à vista, um equipamento no valor de R$ 5.000,00 no mês de fevereiro, além de pagar uma parcela mensal de R$ 2.000,00, referente a um empréstimo.

Resumindo, em dois meses, o negócio gerou um lucro de R$ 39.000,00, o caixa gerado pelas operações foi de R$ 45.000,00 e o caixa final gerado foi de R$ 36.000,00, após considerar outras entradas e saídas.

Controlar o fluxo de caixa da empresa diariamente é muito importante, mas conhecer se o negócio está gerando lucro que se transformará em caixa no futuro, ou conhecer se o negócio está gerando prejuízo que resultará em falta de caixa, também é primordial para a gestão dos negócios.

Quanto o seu negócio gerou de lucro e de caixa esse mês?


Ao se cadastrar você aceita receber os conteúdos do ClubPetro e compreende que pode se descadastrar a qualquer momento.

Posto de combustíveis